Esquitossomose

A esquistossomose mansônica é uma doença infecciosa parasitária, causada por um trematódeo (Schistosoma mansoni) que vive na corrente sangüínea do hospedeiro definitivo, cuja evolução clínica pode variar desde formas assintomáticas até as extremamente graves. A magnitude de sua prevalência e a severidade das formas clínicas complicadas conferem à esquistossomose uma grande transcendência.

Agente etiológico

O agente etiológico é o Schistosoma mansoni, trematódeo digenético, da família Schistosomatidae, gênero Schistosoma.

Reservatório

O homem é o principal reservatório. Os roedores selvagens, primatas, marsupiais, são experimentalmente infectados pelo S. mansoni, o camundongo e o hamster são excelentes hospedeiros. No Brasil, foram encontrados naturalmente infectados alguns roedores, marsupiais, carnívoros silvestres e ruminantes. Ainda não está bem definida a participação desses animais na transmissão da doença.

Vetores

Hospedeiros intermediários

A transmissão da doença, numa região, depende da existência dos hospedeiros intermediários. No Brasil, as três espécies, por ordem de importância, envolvidas na transmissão da doença são: Biomphalaria glabrata, Biomphalaria straminea e Biomphalaria tenagophila. A distribuição conhecida do B. glabrata abrange 16 estados (Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo e Sergipe) e o Distrito Federal.

Modo de transmissão

Os ovos do S. mansoni são eliminados pelas fezes do hospedeiro infectado (homem). Na água, estes eclodem, liberando larvas ciliadas denominadas miracídios, que infectam o hospedeiro intermediário (caramujo). Após quatro a seis semanas, abandonam o caramujo, na forma de cercárias que fi cam livres nas águas naturais.

O contato humano com águas que contêm cercárias, devido a atividades domésticas tais como lavagem de roupas e louças, de lazer, banhos em rios e lagoas; e de atividades profissionais, cultivo de arroz irrigado, alho, juta, etc., é a maneira pela qual o indivíduo adquire a esquistossomose.

 

 

Anúncios

Sobre EEBM

Bióloga pela UCSal (2012). Especialização em Ecologia e Intervenções Ambientais. Realiza estudos de ecologia de manguezal, inventário faunístico (crustáceos).

Publicado em 13/11/2010, em parasitos, Protozoários, schistossomas. Adicione o link aos favoritos. 12 Comentários.

  1. brigaado poor isso ! eeu tto fazêendo naa aulaa de Biologia , naa Informaatica ! ;D

  2. muito zika mais mata ne fAZE OQUE XAUUUUU

  3. adorei o sati vou voltar sempre akii bjos obrigada !

  4. agata moraes

    ee vale muito saber o i coisas tao pekenas ou tao insignifikantes podem fazer kom o nosso korpo

  5. Não é um assunto insignificante, pois é de saúde pública.

    • Acho que ela se referia ao parasita, não ao assunto em geral, um pouco difícil de compreender do jeito que ela escreveu. No mais, ótimo resumo! Tem meus agradecimentos.

  6. Na verdade ela não quis dizer que o assunto é insignificante, mas que o parasita devido a sua insignificância (tamanho pequeno) pode fazer um estrago no homem.

  7. não essa doença é grave e qualquer um pega ela

  8. uuu eu vou ajudar quem tem essa doença

  9. Jeovanna Leticia

    boom assunto é uma das aposta para o Enem

  10. È um assunto de importante relevancia , pois trata-se de doenças causadas por animais que as vezes estão ao nosso convivio e não sabemos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: